Pages

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Os tipos textuais

Os textos, independentemente do gênero a que pertencem, se constituem de sequências com determinadas características linguísticas, como classe gramatical predominante, estrutura sintática, predomínio de determinados tempos e modos verbais, relações lógicas. Assim, dependendo dessas características, temos os diferentes tipos textuais.

Se os gêneros textuais são inúmeros, os tipos textuais são limitados: Narrativo, descritivo, argumentativo, explicativo ou expositivo, injuntivo ou instrucional.

Narrativo: tipo textual predominante em gêneros como crônica, romance, fábula, piada, novela, conto de fadas etc.

Descritivo: tipo textual predominante em gêneros como retrato, anúncio classificado, lista de ingredientes de uma receita, guias turísticos, listas de compras, legenda, cardápio, entre outros.

Argumentativo: tipo textual predominante em gêneros como manifesto, sermão, ensaio, editorial de um jornal, crítica, monografia, redações dissertativas, tese de doutorado etc.

Explicativo ou expositivo: tipo textual predominante em gêneros como aulas expositivas, conferências, capítulo de livro didático, verbetes de dicionários, enciclopédias, entre outros.

Instrucional ou injuntivo: tipo textual predominante em gêneros como horóscopo, propaganda, bula, receita culinária,  manual de instruções de um aparelho, livros de autoajuda etc.

Sequências textuais

Ao se falar em tipo textual , costuma-se utilizar o adjetivo predominante.
Observe:
  • gênero romance - tipo textual predominante: narrativo
  • carta de opinião - tipo textual predominante: argumentativo
  • manual de instruções tipo textual predominante: injuntivo

Sequência narrativa é marcada pela temporalidade; como seu material é o fato e a ação, a progressão temporal é essencial para seu desenrolar, ou seja, desenvolve-se necessariamente numa linha e num determinado espaço.

Sequência descritiva: nesse tipo de sequência, marcada pela  espacialidade, não há sucessão de acontecimentos no tempo,mas sim a apresentação de uma imagem que busca reproduzir o estado do ser descrito, em um determinado momento.

Sequência argumentativa: é aquela em que se faz a defesa de um ponto de vista, de uma ideia, ou em que se questiona algum fato. Intenta-se persuadir o leitor ou ouvinte, fundamentando o que se diz com argumentos de acordo com o assunto ou tema, a situação ou o contexto e o interlocutor; Caracteriza-se pela progressão lógica de ideias e requer uma linguagem mais sóbria, objetiva, denotativa.

Sequência explicativa ou expositiva: intenta explicar dar informações a respeito de alguma coisa. O objetivo é fazer com que o interlocutor/ adquira um saber, um conhecimento que até então não tinha. É fundamental destacar que, nos textos explicativos, não se faz defesa de uma ideia, de um ponto de vista, - características básicas do texto argumentativo. Os textos explicativos tratam da identificação de fenômenos, de conceitos, de definições.

Sequência injuntiva ou instrucional:a marca fundamental da sequência injuntiva ou instrucional é o verbo no imperativo ( injuntivo é sinônimo de "obrigatório", "imperativo"), ou outras formas que indicam ordem, orientação. Lembre-se de que o texto injuntivo é aquele no qual predomina a função conativa/apelativa, e tenta convencer o receptor (quem ouve) a atender a vontade do emissor(quem fala).

Terra, Ernani.Práticas de linguagem: leitura & produção de textos/ Ernani Terra, José De Nicola. - São Paulo:Scipione, 2008.

20 comentários:

  1. e uma oração religiosa, em qual tipologia se encaixa?
    Obrigado e parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Bernardo!

      Obrigada por comentar. Uma oração religiosa como a Ave Maria, por exemplo, seria classificada como injuntivo.

      Excluir
    2. Uma duvida a respeito disso: No caso de uma oração por exemplo, é muito comum glorificar ao senhor. exemplo: Obrigado pela comida a mesa
      Ainda sim seria classificada como injutiva?

      Excluir
    3. Olá!
      O texto injuntivo é aquele no qual predomina a função conativa/apelativa, e tenta convencer o receptor (quem ouve) a atender a vontade do emissor(quem fala).Os verbos utilizados no texto injuntivo estão no imperativo. No caso de uma súplica, dependendo do contexto, e objetivando que o receptor realize ou não o que o emissor/falante está "prescrevendo". Você cita, acima, um agradecimento a Deus, nesse momento não se trata de um injuntivo, já que não há a função conativa.

      Excluir
  2. Muito difício encontrar explicações na internet sobre tipologia textual. É uma boa postagem.

    ResponderExcluir
  3. Ótima postagem !
    Mas poderia me esclarecer qual a diferença do tipo textual argumentativo para o dissertativo argumentativo e qual a diferença do expositivo para o dissertativo expositivo?

    Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Sendo bem prática, ou seja, “trocando em miúdos”, é o seguinte:
      Dissertar é desenvolver um assunto, opinar, discorrer sobre ele. Os textos dissertativos fazem parte do grupo expositivo como relatórios, textos didáticos, artigos enciclopédicos, textos científicos etc. Portanto, o texto dissertativo ocupa-se da transmissão de conhecimento.

      Excluir
    2. Os textos argumentativos são os dissertativos que se ocupam da persuasão, o tema importa pouco, o que conta na verdade, é a maneira como esse tema será tratado. A dissertação argumentativa exige conhecimento do assunto, reflexão, postura crítica diante dos fatos numa discussão que contribua para a vida em sociedade.

      Excluir
    3. Percebeu? Só há texto dissertativo- argumentativo quando o interlocutor é conduzido a refletir sobre os argumentos que o levarão a crer na retórica do locutor. Lembre-se de que esse tipo de texto requer uma estrutura - introdução, desenvolvimento e conclusão. O título e a conclusão merecem uma atenção especial.
      Obrigada pela visita!

      Excluir
  4. Oi bom dia

    Meu nome é Zaqueu, estou me preparando para um concurso e gostaria de saber se a propaganda é um tipo textual expositivo ( pois expõe algo).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Zaqueu!
      Sim! é um gênero textual dissertativo-expositivo, ou seja, propaga-se informações sobre algo, buscando sempre atingir e influenciar o leitor.
      Um abraço!

      Excluir
    2. Acredito, Helena q o gênero textual propaganda tem mais sequencias injuntivas que mesmo expositivas, afinal, ele não quer apenas informar, mas, sobretudo, influenciar o leitor ( corrija-me se estiver errada)

      Excluir
    3. Hélia, o texto injuntivo indica como realizar uma ação, para isso utiliza linguagem objetiva e simples. Os verbos são, na sua maioria, empregados no modo imperativo, porém, nota-se também o uso do infinitivo e o uso do futuro do presente do modo indicativo. Ex: ordens; pedidos; súplica; desejo; manuais e instruções para montagem ou uso de aparelhos e instrumentos; textos com regras de comportamento; textos de orientação (ex: recomendações de trânsito); receitas, cartões com votos e desejos (de natal, aniversário, etc.).

      Excluir
  5. o texto de Cora Rónai: Brasil, educação zero, seria um tipo textual argumentativo? se puder ajudar-me fiquei em dúvida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      O texto Brasil, educação zero, de Cora Rónai é um discurso argumentativo, a maior parte dos discursos que fazemos nas relações com os nossos semelhantes são discursos de persuasão. Perceba que é um discurso que tenta convencer com argumentos que endossam, fundamentam e reforçam as ideias expostas no texto. É o raciocínio de quem quer defender um ponto de vista.

      Excluir
  6. um cardapio se encaixa em que tipo linguistico

    ResponderExcluir